O político alemão Hans-Christian Ströbele, do partido dos Verdes da Alemanha — “partido melancia”: verde por fora e vermelho por dentro —, defendeu a legalização do incesto, na sequência de uma decisão do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos que, em relação a um caso de dois irmãos “casados”, declarou que o incesto não é dum direito humano.
Porém, o esquerdista Hans-Christian Ströbele diz que sim: que o incesto é um direito humano.
E quais são os argumentos de Hans-Christian Ströbele para dizer que o incesto é um direito humano?
Em primeiro lugar, o “melancia” diz que na Turquia o incesto não é proibido; depois, diz que entre os antigos aztecas e no antigo Egipto, dinastias inteiras basearam-se no incesto. E estes são os argumentos “racionais” do Ströbele para a legalização do incesto.
Eu começo a ser da opinião de que quando uma pessoa colocada na posição social de Ströbele, começa a defender o irracional, deve ser calado coercivamente; deve-lhe ser retirado o estatuto social. A liberdade de expressão tem que ter limites.
A única explicação racional que eu encontro para o facto de alguns políticos da esquerda europeia defenderem o incesto é a de que se sentem sós na sua condição de atrasados mentais, e procuram, por isso, a sua clonagem. São atrasados mentais, e ainda se reproduzem!